Como evitar e proteger sua casa e saúde do Mofo!

Livre-se do mofo

Conheça formas de evitar e proteger a casa e a saúde desse inimigo que vem com a umidade

Lívia Alves, iG São Paulo

 

Foto: Getty Images

Além de danos à saúde, o mofo também pode danificar as estruturas de casas e apartamentos

Calor, pouca ventilação e chuvas constantes são características do verão brasileiro. Mas estas são também as condições exatas que o mofo precisa para proliferar dentro de casa, em especial nos locais mais abafados.

Segundo a doutora pela Universidade de São Paulo (USP), Natasha Rebouças Ferraroni, médica Alergista e Imunologista do Hospital regional da Asa Norte, em Brasília, o mofo é o nome popular dado à proliferação de fungos e pode causar muitos danos à saúde. “Existem três maneiras do mofo influir na nossa saúde: pela inalação, ingestão e em contato com os olhos”, explica.

 João Negreiros Tebyriçá, vice-presidente da ASBAI (Associação Brasileira de Alergia e Imunopatologia) ainda lembra que, quando inalado, o mofo pode causar quadros alérgicos como asma, rinite e sinusite. E, em contato com os olhos, causa conjuntivite.

Cuidados na construção 

Além de danos à saúde, o mofo também pode danificar a estrutura da casa e causar muitos prejuízos. “Já vi um pequeno mofo na parede do quarto se transformar em um buraco de um metro, que causou infiltração e trincas na parede da casa pois a estrutura estava cedendo”, diz o arquiteto e urbanista Mauricio Venâncio, dono da Venâncio Arquitetura, em Limeira (SP).

Antes mesmo do início da construção é possível pensar em diversas maneiras de evitar que o mofo apareça na residência. “Ainda na fase de estudo do projeto arquitetônico é fundamental verificar a posição do sol, as condições físicas do solo e a ventilação”, afirma o arquiteto Gustavo Capriotti Bonás, de Sorocaba (SP). 

De acordo com Venâncio, existem três metas importantes que devem ser seguidas para impedir a aparição dos fungos dentro de casa: a primeira é a ventilação cruzada, isto é, a construção de portas e janelas em lados opostos para que o ar circule pela casa. 

A segunda meta é a insolação dentro da residência. “A casa precisa receber luz natural. Assim, os dormitórios devem ser construídos com face Leste e Norte, posições onde há mais sol de manhã e no inverno, respectivamente”, explica. 

Por último, é preciso ter atenção com a impermeabilização do solo. “Antes de fazer a fundação da casa é necessário impermeabilizar bem todos os cômodos, afim de não trazer umidade do chão dentro de casa”, diz Venâncio. Aplicação de mantas asfálticas sobre as paredes que estão diretamente em contato com solo e massas poliméricas no chão são algumas das soluções que podem ser usadas.

Fique atento a armários e infiltrações

Foto: Getty Images

Saquinhos com cravo, canela em pau e giz pode ajudar a reter a umidade

Ser cauteloso antes da construção da casa ou reforma do apartamento é o ideal, porém, o mofo não escolhe hora para aparecer. Basta ter uma minúscula infiltração que o fungo já surge. Por isso, fique atento aos pequenos focos de infiltração em paredes e pias, falhas nas tubulações e forros ou telhas quebradas. 

Além disso, é preciso ter bastante cuidado com os armários, um dos locais preferidos do mofo. “É importante manter um pequeno afastamento entre o armário, a parede e o teto, pois além de facilitar a limpeza do local, ajuda na circulação do ar entre as peças”, explica Capriotti.

Caso o mofo já esteja aparente, o médico alergista do hospital Oswaldo Cruz, de São Paulo, Pedro Bianchi, aconselha a aplicação de ácido fênico ou água sanitária em cima do fungo. 

Muitas vezes, mesmo com o problema da infiltração resolvido, o local que continha o mofo permanece com umidade e um cheiro forte de mofo. Neste caso, Carlos Alfredo, da lavanderia Nova Paulista, aconselha colocar cravo ou canela em pau dentro de um saco no local ou então espalhar pedaços de giz branco pela casa para reter a umidade.

viaLivre-se do mofo – Serviços – iG.

Arquitetura Sustentável em 2011

Top 5 – Arquitetura Sustentável 2011

Postado em 30/12/2011 às 08h05

 

Por ser uma atividade de transformação, a construção civil se caracteriza como um dos setores que mais consomem recursos naturais e geram grandes quantidades de resíduos, desde a produção dos insumos utilizados até a execução da obra e a sua utilização.

A arquitetura sustentável surgiu para amenizar este impacto em um processo de permanente evolução que enfoca estratégias inovadoras e tecnologias para melhorar a qualidade de vida cotidiana.

A arquitetura pode utilizar técnicas passivas, que são obtidas através do desenho do projeto e escolha dos materiais, ou ativas, que utilizam a tecnologia em favor de benefícios para o maio ambiente.

Separamos cinco projetos que se destacaram no ‘CicloVivo’ em 2011.

1 – Harmonia 57

O edifício sustentável Harmonia 57 não é somente uma construção, mas também um organismo vivo em meio à paisagem paulistana. O responsável pelo projeto é o escritório franco-brasileiro Triptyque.

As paredes do edifício são revestidas com plantas, que são irrigadas por um sistema de vaporização d’água. A captação da água da chuva possibilita redução de até 90% nos gastos com água. Clique aqui para saber mais sobre o projeto.

2 – Edifício Bosco Verticale

Duas torres residenciais, sustentáveis e inovadoras estão em construção em Milão, Itália. O Bosco Verticale será a primeira floresta vertical do mundo, pois cada apartamento possuirá uma varanda com árvores de médio porte plantadas. No verão, as árvores irão sombrear as janelas e filtrar a poeira da cidade, no inverno, o sol irá brilhar através dos ramos nus.

As torres terão sistemas de energia eólica e fotovoltaica para aumentar o grau de autossuficiência energética e a irrigação será feita pelo reaproveitamento de águas cinzas produzidas pelo edifício. Clique aqui para saber mais sobre o projeto.

3 – Cento Cultural Jean-Marie Tjibaou

Projetado pelo famoso arquiteto italiano, Renzo Piano, o Cento Cultural Jean-Marie Tjibaou foi inteiramente planejado com base na cultura Kanak, uma tribo da região de Nouméa, na ilha de Nova Caledônia, Pacífico Sul.

Construído para homenagear Jean-Marie Tjibaou, um líder assassinado da cultura Kanak, a obra é considerada uma das pioneiras da arquitetura sustentável, pois carrega aspectos econômicos, socioculturais e ambientais. O arquiteto utilizou estratégias eficientes de construção sustentáveis para manter os pavilhões frescos e integrá-los à natureza.

4 – Green School

A Green School, construída na ilha de Bali, Indonésia, está dando a seus alunos uma educação relevante, holística e verde em um dos ambientes mais impressionantes do planeta.

O edifício, feito quase que inteiramente de bambu, utilizou técnicas de permacultura e foi um marco na utilização do bambu em grande escala. As salas de aula, feitas em bambu, não possuem parede para proporcionar um melhor aproveitamento da luz natural.

Para diminuir a dependência energética, a escola, faz uso da energia solar. No local também existe uma turbina-moinho, que transforma a força da água da cascata, próxima ao local, em energia. Clique aqui para saber mais sobre o projeto.

5 – Bairro Solar Schlierberg 

O condomínio Schlierberg, em Friburgo, Alemanha, é capaz de produzir quatro vezes mais energia do que consome, provando que uma construção ecológica pode ser muito lucrativa. O bairro é autossuficiente em energia e atinge isso através do seu projeto de energia solar, que utiliza painéis fotovoltaicos dispostos na direção correta.

Os edifícios também foram construídos dentro das normas de arquitetura passiva. Tecnologias avançadas, como o isolamento de portas e janelas a vácuo, aumentam o desempenho térmico do sistema da construção. As coberturas possuem sistemas de captação de água da chuva. Clique aqui para saber mais sobre o projeto.

Mayra Rosa – Redação CicloVivo

 

http://www.ciclovivo.com.br/noticia.php/4047/top_5__arquitetura_sustentavel_2011/

Conforto acústico agora será compromisso de todos os empreendimentos

Conforto acústico agora será compromisso de todos os empreendimentos

 

“Fabricamos tijolos de acordo com as normas ambientais. Nosso produto cerâmico sempre teve uma preocupação elevada com esse aspecto termoacústico” – Diamantino Galinari, vendedor técnico da Cerâmicas Braúnas

 

via Conforto acústico agora será compromisso de todos os empreendimentos – Lugar Certo.

O momento em que o corretor de imóveis é fundamental!

Negociar um imóvel sem um profissional capacitado acarreta diversos riscos que comprometem a segurança e o conforto das partes envolvidas
O corretor de imóveis representa um peso importante na intermediação da compra, venda, permuta e locação de imóveis.

Hoje, cerca de 15% dos corretores de imóveis no Brasil já possuem o curso superior em gestão de negócios imobiliários e a capital federal tem 18 mil profissionais cadastrados no Creci-DF. A procura pelo diploma e o crescimento da profissão em 21,8% em 2010 reafirmam as responsabilidades dos profissionais registrados no conselho local, que representam um peso importante na intermediação da compra, venda, permuta e locação de imóveis.

Contudo, a participação e a atuação desse profissional perdem espaço no mercado com o surgimento de iniciativas particulares para negociar um imóvel sem a presença de um profissional capacitado. Antes de efetuar a compra, venda ou locação de um empreendimento, o interessado deve se ater a uma série de cautelas para não transformar a transação imobiliária em pesadelo. A leitura dos documentos referentes ao imóvel, como a certidão negativa do ônus nos cartórios de distribuição, e do proprietário e várias outras necessárias para a conclusão efetiva da negociação são imprescindíveis.

A Associação Brasileira do Mercado Imobiliário (ABMI) se preocupa com a constante divulgação na internet que incentiva as vendas e compras de imóveis sem a intermediação de um corretor. Virgínia Duailibe, presidente da ABMI, alerta para os riscos que o cidadão corre ao negociar um imóvel livremente e repreende os movimentos oriundos da internet que estimulam a dispensa do corretor. “Essas manifestações que tentam menosprezar, das mais diversas formas, a atividade do corretor não têm sido pontuais, muito pelo contrário. São constantes, insidiosas e, mesmo aquelas de caráter subliminar, vêm produzindo estragos no conceito que os proprietários de imóveis fazem dos corretores”.

Duailibe diz que a intermediação vai além da mera apresentação entre as partes envolvidas no negócio. “A atividade de um corretor demanda conhecimento”.

À disposição do cidadão

João Teodoro, presidente do Sistema Conselho Federal de Corretores de Imóveis e Conselhos Regionais (Cofeci-Creci), lembra que não existe lei que obrigue o cidadão a contratar um corretor para fazer a negociação do imóvel, mas existem outros fatores que demandam mais atenção. “Existe a lei que regula a profissão do corretor de imóveis e o coloca à disposição dos cidadãos para que o mercado seja bem atendido e tenha um serviço de qualidade”, explica.

Teodoro enfatiza que a atividade do corretor é extremamente trabalhosa e envolve muito conhecimento: “Hoje, o profissional atualiza o conhecimento sobre o mercado todo tempo, com participações, cursos, certificações e até mesmo graduações com o objetivo de melhorar a oferta de seu trabalho”.

Para ele, o surgimento de sites que propõem dispensar o corretor de imóveis é produto da iniciativa de pessoas que objetivam fraudar as transações imobiliárias. “Estes sites são feitos por pessoas inconsequentes, que não têm conhecimento sobre a complexidade do mercado de imóvel do DF e se aproveitam das pessoas despreparadas”.

 

Fonte:  Jornal Coletivo

Comprador deve se preparar para gastos com escritura e impostos

Comprador deve se preparar para gastos com escritura e impostos da Casa Própria

Quem está prestes a comprar a casa própria deve ter consciência de que o valor do imóvel  não será o único gasto previsto na negociação. Assim, segundo informa  a Primar Administradora de Bens, o comprador deve estar preparado para arcar com as despesas relacionadas à escritura, a taxas e impostos.

No geral, de acordo com o responsável pelo departamento comercial e de locações da Primar, Carlos Samuel Silva Freitas, quem está pensando em adquirir a casa própria deve reservar pelo menos o equivalente a 5% do valor do imóvel para o pagamento de gastos extras.

“O comprador deve reservar pelo menos 5% do valor de compra para cobrir estes gastos extras. Ou seja, se o imóvel for vendido pelo valor de R$ 200 mil, o comprador gastará cerca de R$ 10 mil para quitar todos os tributos cobrados”, observa Freitas.

Taxas e impostos

Dentre as taxas e os impostos cobrados de quem está comprando um imóvel, estão os seguintes:

  • ITBI (Imposto sobre Transmissão de Bens Imóveis por Ato Oneroso “Inter Vivos”): cobrado pela prefeitura do município no qual o imóvel urbano está localizado, equivalente a 2,5% do bem;
  • Taxa para escritura do imóvel: cobrada para que o documento oficial possa ser elaborado. O pagamento do valor desta taxa varia conforme o valor venal do bem;
  • Taxa para registro da escritura do imóvel: paga para que o documento de registro tenha validade jurídica integral. Valor é o mesmo cobrado na elaboração do registro;
  • Laudêmio da Marinha: cobrado pelo governo federal de imóveis localizados na faixa litorânea, a até 80 metros do mar, sendo que algumas prefeituras exigem o recolhimento do laudêmio municipal.

Fonte: InfoMoney